Rômulo Ávila

Coluna do Rômulo Ávila

Veja todas as colunas

Adilson não aprende que o mundo dá voltas

12/03/2020 às 01:21

Bruno Haddad/Cruzeiro

Minha avó Geni, a quem devo praticamente tudo, sempre me dizia: "Meu filho, a gente não sabe o dia de amanhã". Lembrei desse ensinamento ao saber que o técnico Adilson Batista seria demitido do Cruzeiro (o que acabou não ocorrendo) nesta quinta-feira (12), pouco mais de uma semana após ele mesmo criticar o Atlético que mandou Rafael Dudamel embora.

Lá [no Atlético] está tão organizado que já mandaram treinador embora. Lá está dois pontos atrás de nós [no Campeonato Mineiro]", disse em entrevista coletiva após a classificação nos pênaltis na Copa do Brasil contra o Boa.

Apesar da reviravolta que resultou na manutenção do treinador, Adilson demostra que não aprende com os erros do passado e está longe de cair novamente nas graças da torcida celeste.

Comentei neste espaço na última semana que treinador precisava muito mais do Cruzeiro do que o contrário. Adilson, que coleciona fracassos desde 2009, parece não saber importância da humildade. E digo isso não pelo trabalho atual no Cruzeiro.  Abaixo trechos de um artigo que escrevi em julho de 2018, quando o treinador acertou com o América, e que é pertinente com o momento atual.

Dia 13 de julho de 2009, uma segunda-feira pós-clássico entre Atlético e Cruzeiro. Na Toca da Raposa, Adilson Batista falava da partida, mas sem muita preocupação com a derrota por 3 a 0. Afinal, o Cruzeiro tinha escalado um time reserva. A prioridade era a decisão da Copa Libertadores, contra o Estudiantes, no Mineirão.

Lembro que, merecidamente, Adilson Batista era o principal técnico do futebol brasileiro. No entanto, uma resposta dada pelo treinador naquela coletiva de imprensa chamou minha atenção e nunca mais esqueci.

"O tempo é que vai dizer aonde ele vai chegar. Eu sei aonde ele vai chegar. Deixa ele cuidando da vidinha dele, eu tenho as minhas preocupações aqui, vamos trabalhar." A declaração foi uma resposta do treinador ao atacante Alessandro, que se transferiu para o Atlético depois de não ter sido aproveitado por Adilson Batista no Cruzeiro.

Alessandro fez o segundo gol da vitória do Galo e, no intervalo, disse: " (Foi) A primeira humilhação que passei de ser cortado dentro do ônibus. Então, quando a gente faz um gol é para mostrar o nosso valor e dar uma resposta a quem nos prejudicou".

A história entre os dois parou por aí. Mas desde então, por mera coincidência, a carreira de Adilson Batista começou a afundar. Três dias após a entrevista, viu o título da Libertadores escapar em pleno Mineirão. Continuou no clube até 2010, quando foi demitido.

Ainda valorizado no mercado, assumiu o Corinthians, mas caiu pouco tempo depois. Acertou com Santos e mais uma vez não emplacou. Tentou novo desafio no Atlético-PR, mas o trabalho não evoluiu.

O São Paulo, outro gigante do futebol paulista, daria nova chance ao treinador. Contudo, foram apenas 22 partidas e nova demissão. Passou ainda por Atlético-GO (2012), Figueirense (2013), Vasco (2013 a 2014) e Joinville (2015). Porém, nunca conseguiu fazer um bom trabalho.

Se foi arrogante no passado, Adilson Batista deve ter aprendido que a humildade é grande aliada das pessoas que têm sucesso na carreira. Como diz a Bíblia, "A soberba precede à ruína; e o orgulho, à queda".

Leia também:

Cruzeiro estuda contratação de Guto Ferreira ou Enderson Moreira para substituir Adilson

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    💡 BOA NOTÍCIA! Do Triângulo Mineiro vem uma boa notícia para o combate da Covid-19. Está em fase final de desenvolvimento o aparelho de teste rápido capaz de identificar a C...

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O meio-campista do Galo foi denunciado por vizinhos por promover uma festa com aglomeração nos dias 24 e 25 de maio #itatiaia

    Acessar Link