Notícias

Prosa Poética, no programa Tarde Ponto Com, por Mary Arantes: 'Vida após a vida'

Por Por Mary Arantes , 12/12/2019 às 16:59
atualizado em: 12/12/2019 às 17:02

Texto:

Ouça na Íntegra
00:00 00:00

Outro dia falamos sobre aqui velórios e estética dos cemitérios. Esse assunto, morte, sempre nos ronda. A recente morte do Gugu Liberato nos trouxe a reflexão sobre algo que muitos de nós pensamos em fazer, e que muitas famílias não completam nosso desejo: a da doação total dos órgãos. Cerca de 50 pessoas foram beneficiadas pela doação dos órgãos do Gugu, um número muito expressivo. 

Espero que este gesto tenha tocado, não só a mim, como doentes terminais e familiares. O que nos custa doar o que não mais nos servirá? Se existe vida após morte, certamente não será nesse corpo. Ou você já viu fantasmas precisando de rim e coração? Seja virando anjo ou estrelinha, tenho absoluta certeza que só o espírito nos bastará. 

Nesses dias foi impossível não lembrar de uma querida amiga, falecida em 2017, Silvia Paoliello. Ela nunca me enganou! Naquele corpo frágil, escondia a força do bem, a nobreza dos determinados, a suavidade da água que no vai e vem, lapida pedras.
Silvia teve câncer e já no final da vida, ciente de tudo, perguntei a ela como era receber um diagnóstico com tantas metástases? Me respondeu que nunca havia se revoltado nem questionado, como é comum nesses casos. Disse que não era melhor, nem pior que ninguém. Nem a primeira, nem a última a ter câncer. E assim partiu, nos deixando numa manhã fria de domingo. 

Voltando do breve velório, a única opção que tive, foi me abraçar com a manta de quilt que ela havia feito pra mim. Na sua doença, Sílvia nos acolhia. Saíamos sempre de lá confortados, em vez de confortá-la. Em sua extrema bondade, sequer me deixou entristecer pela sua perda. Suas falas e a riqueza da lição de vida que me destes em tão poucos anos de uma amizade tão forte, me alimentaram.

A última coisa que me ensinastes, Sílvia, junto com a sua amorosa família, foi que podemos sim escolher como partir. E da forma nobre como viveu e adoeceu, se foi. Doou seu corpo à ciência, à humanidade, à UFMG, projeto Vida Após a Vida da Faculdade de Medicina, cujo contato é 31- 3409-9632.

E como se fazia antigamente, foi velada em sua casa, no seu próprio leito, envolta nos lençóis diários que a cobriam. Um vaso de margaridas na cabeceira, ao lado da Nossa Senhora que por ela zelou, e água fresquinha para quem tivesse sede. E coube a nós, que aqui ficamos, essa raça humana frágil, tão incapaz de grandes gestos, descobrir no singelo, que partir pode ser sim algo grandioso!

Escreva seu comentário

Preencha seus dados

ou

    #ItatiaiaNasRedes

    RadioItatiaia

    'Eu estou levando minha revolta para um lado de injustiça, eu preciso de uma resposta. Eu guardei tudo no quarto do bebê. Essa dor parece que não vai passar', completa.

    Acessar Link

    RadioItatiaia

    O caso foi revelado em primeira mão pela rádio Itatiaia e repercute nacionalmente.

    Acessar Link